Como fazer uma boa APR? – SG4

Como fazer uma boa APR?

Como fazer uma boa APR (Análise Preliminar de Risco)?

Estabelecer uma boa Análise Preliminar de Risco (APR) é fundamental para uma gestão de alto nível de saúde e segurança do trabalho em uma empresa. Geralmente, muitas empresas já possuem um bom levantamento de perigos e riscos, desenvolvidos no antigo PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – que deixou de existir a partir da atualização das NRs 1 e 9) ou a partir de um Sistema de Gestão e Segurança do Trabalho certificado. Contudo, este documento é utilizado comumente em níveis mais gerenciais e não em níveis operacionais. Portanto, a fim de fazer com que essa informação chegue aos níveis operacionais é necessário detalhá-la e transformá-la em documento, desta forma, surgem as APR’s ou Análises Preliminares de Riscos, que podem ser disponibilizadas em campo, frente de trabalho ou em fábrica.

Para se construir uma boa APR é essencial possuir um procedimento construído, pois trata-se de um método que exigirá metodologia em seu processo, logo é necessário centralizar o método de como documentar as APR’s. Nesse procedimento é importante que se tenha estabelecido de forma clara o que são os perigos da atividade.

Existem documentos que indicam quais eventos podem ocorrer em determinadas atividades e assim trabalham os riscos destes acontecerem, de acordo com a atividade. Para tanto, é importante lembrar que risco é a combinação entre probabilidade, frequência e ocorrência e, portanto, refere-se a algo que pode ocorrer, caso não seja determinado um controle ou uma prática.

Envolvimento das equipes operacionais da APR

Para que esse documento seja rico é necessário desenvolvê-lo junto à frente de trabalho de cada empresa. Existem profissionais de gestão de saúde, segurança e meio ambiente que baseiam esse trabalho no documento de outras empresas, não levando em consideração que cada frente de trabalho e equipamento são extremamente diferentes de uma organização para outra; por isso é imprescindível realizar uma análise de maneira específica. Sugerimos que ao desenvolver o documento, e antes de validá-lo, deve-se apresentá-lo em campo e buscar a opinião de todos os trabalhadores.

A APR é um documento bastante detalhado, por isso é essencial promover discussões construtivas a fim de que todos sejam envolvidos e possam compartilhar seu conhecimento, resultando em um documento rico que será observado e aderido pelos trabalhadores, que fizeram também parte de sua construção. Para que isso aconteça é indispensável agendar o processo de contribuição dos trabalhadores de maneira organizada. Caso não haja participação das equipes operacionais na construção da APR, é possível que o documento seja recebido de maneira passiva, não efetiva e não haja ganhos significativos para a gestão de segurança no trabalho. 

Revisão da APR

O documento de Análise Preliminar de Risco precisa ser revisado periodicamente, o que pode ser a cada três meses ou dentro de um prazo adequado. Em algumas indústrias o processo muda pouco de um ano para o outro fazendo revisões a cada dois anos; já em outros contextos, como por exemplo nas indústrias de construção civil, onde as atividades podem mudar completamente a cada três meses, torna-se fundamental a realização de um nova APR. Esta não é uma atividade simples e requer boa gestão do tempo, porém, caso essa atualização do documento não aconteça no tempo correto a APR poderá ser retirada da prática, realidade e espaço da indústria.

A APR deve ser conhecida não apenas entre a equipe operacional, mas pelos encarregados, chefes e líderes de frente; esses profissionais de liderança precisam ter conhecimento sobre a APR para promover o documento. Somente quando as lideranças e gerências operacionais acreditam no conteúdo do documento é possível que os colaboradores que façam o mesmo. Os gestores precisam ser agentes transformadores da segurança, sendo necessário ter um conhecimento profundo sobre o tema, para que possam realizar boas contribuições e atualização nas APR’s. 

Quando empresas de Consultoria e Auditoria, como a SG4, realizam esses processos e eventos é comum que se tenha contato com documentos que não foram construídos de maneira satisfatória, copiados de outra empresa ou elaborados por prestadores de serviços que não souberam analisar os riscos de forma eficaz. Diante disso é importante assumir a responsabilidade de analisar e validar o documento, através de comentários que tragam melhoria para se construa um documento de qualidade.

Treinamento da APR

O treinamento na APR deve ocorrer de maneira cíclica.  É recomendável que se realizem treinamentos cíclicos, em média, a cada dois meses, isso porque, além de reforçar a temática para os que já possuem experiência neste documento, também possibilita conhecimento aos que são novos integrantes. Os bons treinamentos são realizados na frente de trabalho junto aos equipamentos, pois são bem mais produtivos e funcionais, permitindo atividades críticas em situações de trabalho a céu aberto, em altura e em espaços confinados, por exemplo. Lembrando sempre de avaliar o documento de forma extremamente atenta, tendo em vista que tais atividades podem expor os trabalhadores a riscos.

A APR é, portanto, um documento imprescindível e fundamental para a segurança dos trabalhadores na empresa, logo, todos nós, profissionais da área de segurança, meio ambiente, qualidade ou produção, temos a responsabilidade de apresentar o transferir conhecimento neste importante documento e trazer a percepção de riscos aos trabalhadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para se construir uma boa APR é essencial possuir um procedimento construído, pois trata-se de um método que exigirá metodologia em seu processo, logo é necessário centralizar o método de como documentar as APR's.